in

A história dos direitos sociais nas constituições brasileiras

Os direitos sociais evoluíram gradativamente até a promulgação da Constituição de 1988

promulgação da Constituição de 1988, uma das constituições brasileiras

Você sabe como se deu a história dos direitos sociais nas constituições brasileiras? Primeiramente, é importante entendermos a origem do governo nacional.

Nesse sentido, podemos dizer que o Brasil começou a ter o seu governo com a chegada da Família Real, vinda de Portugal para o Brasil. Isso ocorreu em 1808, quando o Brasil passou a ser um Reino Unido português. Já em 1815, o país teve um príncipe regente aclamado rei, chamado Dom João VI.

Começou-se assim a se formar um aparelho burocrático, uma política externa e cultural própria. Nesse sentido, a primeira capital foi declarada a cidade do Rio de Janeiro.

Porém, foi mesmo com a Independência do Brasil, em 1822, que o Brasil nasceu como país – e não mais como colônia – e Estado nacional. Sendo ele dotado de instituições e leis próprias, apesar de continuar regido como uma monarquia.

Veja agora a história das constituições brasileiras:

Constituição de 1824 – Independência

A regência do príncipe Dom Pedro I fez uma aliança política entre a elite rural brasileira e a elite religiosa. No entanto, ela excluiu as camadas populares e suas possíveis reivindicações.

Manteve-se então um país agrário e escravista, dependendo do capital inglês. Para consolidar esse novo Estado, Dom Pedro I convocou uma Assembleia Constituinte. Ela era encarregada de escrever a primeira Carta Magna do país. Ela, aliás, ficou conhecida como “Constituição da Mandioca”, em 1923, sem participação alguma da sociedade.

A partir desse primeiro documento, e com a Assembleia Constituinte dissolvida, um novo Conselho de Estado elabora a primeira Constituição Brasileira de 1924. Em linhas gerais, ela estabelecia:

  • Monarquia hereditária;
  • Catolicismo como religião oficial;
  • Voto censitário (aberto, indireto e masculino);
  • Instituição de quatro poderes e um Senado.

O documento conservava então o caráter liberal e elitista do projeto de governo de Dom Pedro I.

Constituição de 1891 – Proclamação da República

Depois da Independência, o acontecimento político mais importante do Brasil foi a Proclamação da República, em 1889. O regime republicano veio atender às transformações socioeconômicas do país nas últimas décadas do século XIX.

Podemos dizer que as principais mudanças estruturais desse momento foi o abolicionismo e a aspiração das classes médias urbanas por liberdade e maior participação política.

Estes que, juntamente com a oposição da nova elite agrária, a burguesia cafeeira, e os militares, foram os responsáveis pela Proclamação da República.

Carta republicana

Em 1891 foi promulgada a primeira Constituição Republicana do Brasil, inspirada na de outros países. Tratava-se de uma Carta Republicana federativa e presidencialista.

Estabeleceu, portanto, pela primeira vez nas constituições brasileiras o regime representativo para os poderes Legislativo e Executivo: o voto era direto e não-obrigatório. Mas ainda não podiam votar os analfabetos, as mulheres, os soldados, os mendigos, os religiosos de ordem monásticas e os menores de idade.

Apesar de conceder autonomia aos estados, preservava os poderes da União. Estabelecia também a separação entre a Igreja e o Estado. Somente o primeiro presidente, de governo provisório, seria eleito pela Assembleia Constituinte existente, este chamado Marechal Deodoro da Fonseca.

Constituição de 1934 – Revolução de 1930

A eleição direta era praticamente ineficaz. Isso porque, na prática, o que aconteceu foi que o poder se revezou entre a oligarquia cafeeira de São Paulo e de Minas Gerais, de 1894 até 1930.

Foram oito presidentes até o governo de Washington Luis, quando emergiu uma crise das elites dominantes, causada por uma queda no preço internacional do café.

A crise também foi causada por diversas revoltas e movimentos rurais e urbanos que ocorreram nas primeiras décadas da República. O poder, ainda na mão das elites, causou grande insatisfação popular.

O povo, então, procura se organizar política e socialmente. As principais causas de insatisfação eram a falta de terra, a miséria e a exclusão social, política e econômica da população mais pobre.

Constituições brasileiras e revoluções

Como a insatisfação popular também presente nas demais constituições brasileiras, houve revoluções neste período.

No campo, podemos citar a Revoluta de Canudos, a Guerra Sertaneja do Contestado, a Revolta de Juazeiro e o movimento do Cangaço. Na cidade, a Revolta da Vacina, a Revolta da Chibata e o movimento operário diversificado, marcado pela Greve de 1917. Além do movimento tenentista e a Coluna Prestes, responsável pela mudança de governo.

Essa mudança foi consolidada a partir da Revolução de 1930, quando a junta militar entregou o poder à Getúlio Vargas, num governo provisório, construiu-se outra ordem socioeconômica. Esta era relacionada à elaboração de uma nova Constituição. Vargas controlou a crise cafeeira, instituiu as leis trabalhistas, incentivou a produção de bens de consumo e inaugurou o populismo.

Depois da tentativa de nova revolução pelos paulistas em 1932, uma Constituição começou a ser elaborada e, após conflitos entre os tenentes e Vargas, foi promulgada uma nova carta em 1934.

Inovações trazidas

As principais inovações em relação às demais constituições brasileiras foram:

  • Brasil torna-se uma República Federativa;
  • Passa haver independência entre os três poderes;
  • Representação dos sindicatos no Legislativo;
  • Nacionalização dos recursos naturais;
  • Ensino primário gratuito e obrigatório;
  • Voto universal, direto e feminino.

Constituição de 1937 – Estado Novo

A eleição de Getúlio Vargas em 1934 inaugurou o Governo Constitucional, que parecia ser a consolidação de uma legalidade democrática.

Contudo, a Era Vargas foi marcada pelo autoritarismo, com estado de sítio e suspensão das liberdades civis. A Intentona Comunista de 1935 foi uma tentativa de oposição, que foi rapidamente desarticulada.

Em meio à crise do capitalismo em 1929, que levou à ascensão de governos autoritários em vários países, Vargas deu um golpe, decretou o Estado Novo e colocou em vigor, sem discussão prévia no Legislativo, uma nova Carta Constitucional, em 1937.

Com apoio às necessidades do governo, a chamada “Polaca” proibiu a formação de partidos políticos, eliminou o aspecto federalista da nação e passou a eleger as lideranças sindicais. Foi aí o surgimento dos primeiros mecanismos de controle legítimos do Estado: o Dasp, o DIP e a Polícia Secreta.

Constituição de 1946 – República Liberal

A República Liberal nasceu com a saída de Getúlio Vargas e a eleição do general Eurico Gaspar Dutra. Seu governo foi marcado por mudanças na política econômica – a bipolarização ideológica – e pelo alinhamento externo com os Estados Unidos.

Foto de Getúlio Vargas

A Constituição de 1946, a quarta constituição republicana e a quinta brasileira, favorecia novamente o federalismo, ampliando a autonomia dos municípios brasileiros.

Além disso, retomava a independência dos três poderes, as eleições diretas e o voto feminino, além da preservação dos direitos trabalhistas. Mas restringia o direito de greve e inaugurava a representação proporcional à população dos estados para a Câmara dos Deputados.

Nacionalismo nas constituições brasileiras

O período após a volta de Vargas no poder, seguido do governo de JK, foi marcado principalmente por uma característica nacionalista e desenvolvimentista, a criação da Petrobrás e de Brasília, e o surgimento do caráter bossa-nova do Brasil no mundo.

Com Jânio e Jango, o país conquista certa autonomia externa, mas começa a se formar um quadro de altos e baixos até desencadear em uma crise e no golpe militar.

Ainda antes do golpe, entre as mudanças sociais com o firmamento da nova constituição liberal, a mais marcante mudança foi a forte urbanização.

Novo olhar social e cultural

Uma consequente mudanças de hábitos em torno da industrialização e do mercado de massa começando a se formar no mundo, alterando assim o cenário para a produção das constituições brasileiras.

O resultado foi o consumo de eletrodomésticos, eletrônicos, rádio e televisão. Além da moda, tomando frente, e a indústria automobilística em expansão.

No ambiente do ensino público, é fundada a União Nacional dos Estudantes (UNE). Ela passou a participar de discussões sobre educação e sobre os rumos do país.

Nos anos 1950 e 1960, as manifestações culturais foram buscar novas formas de expressão, valorizando o caráter nacional, mas sem deixar de lado as influências externas. Os meios artísticos se empenharam em entreter e politizar o público.

Constituição de 1967 – governos nacionalistas e militares

A bipolarização ideológica acirrada pela Guerra Fria fez com que a elite se voltasse contra o populismo. Nas Forças Armadas, os altos oficiais se voltaram contra Goulart quando ele se aproximou dos oficiais de baixa patente. Assim começa e se forma o regime militar no país, com o Ato Institucional nº 1.

Foi no governo de Castelo Branco que se implantaram medidas de dois novos Atos Institucionais, o AI-2 e AI-3 e todos esses Atos foram incorporados à uma nova Constituição, em 1967.

Ela foi aprovada pelo Congresso, que teve seus trabalhos reativados por Castelo Branco para essa finalidade. Dessa forma, os militares completavam a transição de poder, governando com um Legislativo que apenas legitimava as propostas do Executivo.

País subdesenvolvido

Assim, o processo de industrialização e a conjuntura internacional influenciaram o Brasil desde o início, reverberando um quadro de país subdesenvolvido.

As classes médias e altas foram favorecidas com a concentração de renda e o “crescimento do bolo”. Para esta camada social, por exemplo, foram criados novos espaços de “socialização”. Eles uniam o conviver ao consumo, garantindo segurança e acesso fácil a uma quantidade cada vez maior de produtos: eram os shoppings centers.

Ao mesmo tempo, por outro lado, com a rápida urbanização e migração de uma população empobrecida e também com a baixa remuneração, reforçava-se a dificuldade de “ascensão social” da classe trabalhadora.

Preconceito aos nordestinos

Ela era impedida de prosperar devido à escolaridade mínima e pelo preconceito em relação aos que vinham do Nordeste. Esses migrantes se somaram à população negra nas favelas, que se expandiram no mesmo ritmo do crescimento industrial.

É desse período a larga propagando “Brasil potência”, que revelava um aspecto “pão e circo” do seu modo de operar a sociedade. O esporte, por exemplo, era usado como instrumento político.

Como uma metáfora, o governo faria o papel de técnico da população brasileira, comandando e direcionando o povo. Era a garantia de elevada qualidade de vida. Mas a realidade era que a riqueza não era partilhada pela maioria.

Estado Democrático de Direito – Constituição de 1988

Foi somente com o movimento armado de oposição, o fim da ditadura militar e as Diretas-Já, que reinstituímos uma constituição representativa no país.

Quando o primeiro presidente eleito democraticamente, Tancredo Neves, adoece e morre, o sucessor Sarney assume e levanta novas dúvidas sobre o destino do país. Mas o seu governo representou um momento de planos econômicos e de organização dessa nova constituição.

Direitos trabalhistas

A Constituição de 1988 foi promulgada em 5 de outubro. Tida como a mais liberal das constituições, ampliou os direitos trabalhistas e, pela primeira vez, abordou a inclusão e a cidadania no Brasil. Defendendo, assim, interesses das populações ditas como minorias, mostrando também alguma preocupação ecológica.

O recém-nomeado Congresso organizou-se em um Centrão para representar os interesses de grandes latifundiários e multinacionais. Por outro lado, Ulysses Guimarães estava comprometido em garantir a elaboração de uma constituição ampla, com apoio da sociedade civil.

O objetivo principal era de preservar as conquistas sociais e trabalhistas, como a estabilidade do funcionalismo público e os direitos trabalhistas garantidos pela Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Destaques da nova constituição

A atual constituição brasileira é uma das maiores do mundo. Muitos dizem que haveria a necessidade de garantir por escrito os direitos dos cidadãos que foram perdidos durante o período de ditadura militar.

Alguns destaques do documento são: a participação política dos analfabetos, até então impedidos de votar; a definição dos crimes raciais como inafiançáveis, procurando reverter o descaso com o racismo no país.

Além disso, a definição também da demarcação das terras indígenas, protegendo esses povos e suas formas de manifestação cultural. A distribuição dos recursos financeiros entre as três esferas: federal, estadual e municipal. Além da restituição do pluripartidarismo.

Apesar das melhorias trazidas pela constituição, há muitas limitações que não foram abordadas socialmente a partir do documento.

Combate ao racismo

Os mecanismos de combate ao racismo, por exemplo, são limitados, apesar de novas políticas públicas e espaços mais recentemente priorizarem essa necessidade. Após a constituição, as mulheres e os homossexuais alcançaram também algumas novas conquistas, mas à custa de muita luta.

A grande deficiência da Constituição Cidadã de 1988, porém, foi não ser capaz de encaminhar satisfatoriamente a questão da desigualdade social e econômica.

A extrema concentração de renda na sociedade, tanto no campo quanto na cidade, inviabiliza a plena aplicação dos princípios constitucionais que garantem liberdade individual e condições dignas de sobrevivência.

Até hoje ainda pouco se conhece o que é instituído politicamente, e pouco se consegue utilizar para a garantia de direitos garantidos.

Escrito por Redator Especialista em História

Redator especialista em História no Guia do Ensino.

Caso encontre um erro, violação de direitos autorais ou queira enviar um feedback/sugestão, utilize o e-mail: historia@guiadoensino.com.br para contato.

Comentários

Deixe um comentário

Carregando...

0
gravura mostra sustentabilidade

Sustentabilidade: origem e evolução do conceito

foto de criança negra e a discussão sobre políticas afirmativas

Políticas afirmativas: quando o passado impacta nas ações atuais